19 de julho de 9000

Bibliografia RPG e Educação


Bibliografia de pesquisas de mestradoeu e doutorado no Brasil que abordam os jogos de RPG. Em atualização constante.

Aqui não está contemplada bibliografia sobre a categoria dos chamados “RPGs eletrônicos”, pois os mesmos não podem ser chamados de RPGsantos. Em jogos eletrônicos apertam-se botões e existem limites estipulados pela física do jogo. Jogar RPG significa interpretar um personagem e interagir no enredo com os outros participantes, falando e imaginando. Nos jogos de RPG o limite para as ações é a imaginação e para jogar basta lápis, papel e um pequeno grupo de jogadores. [continue lendo]

11 de agosto de 2014

Produções nacionais sobre RPGs com temática brasileira


Seguem os endereços eletrônicos de dois projetos bastante interessantes.




Prof. Gilson

20 de julho de 2014

Orientação sexual, homossexualidade, nerdice, RPG, queer, homofobia, D&D, videogame


[atualizado] Um pequeno parágrafo na nova edição do gratuito Dungeons & Dragons Next tem causado diversos debates interessantes na comunidade de jogadores de RPG. Ele trata da orientação sexual dos personagens. Eu fiz uma tradução livre e logo abaixo segue o texto original:

Você não precisa ficar confinado nas noções binárias de sexo e gênero. O deus elfo Corellon Larethian é visto como andrógino ou hermafrodita, por exemplo, e alguns elfos no multiverso são feitos à imagem de Corellon. Você pode interpretar uma personagem que se apresenta como um homem, um homem que se sente preso num corpo de mulher ou uma anã barbada que odeia ser confundida com um anão. A orientação sexual do seu personagem é para você decidir.

You don’t need to be confined to binary notions of sex and gender. The elf god Corellon Larethian is often seen as androgynous or hermaphroditic, for example, and some elves in the multiverse are made in Corellon’s image. You could also play a female character Who presents herself as a man, a man who feels trapped in a female body, or a bearded female dwarf who hates being mistaken for a male. Likewise, your character’s sexual
orientation is for you to decide

Para quem não acompanha este blog, esclareço que os jogos de RPG são uma prática ou tipo de jogo de contar histórias coletivamente. São usados fichas de papel, poliedros (dados), lápis, papel e imaginação, e os participantes são, ao mesmo tempo, autores e personagens das tramas.

Não pesquiso gênero e sexualidade, mas vários integrantes do grupo de pesquisas que faço parte pesquisam, e aprendi a ouvir sobre gênero, sexualidade e homossexualidade. E no fim, todos nós queremos ser respeitados.

Este parágrafo tem repercutido em debates interessantes e caóticos. Somado a isto, a editora Devir, uma das maiores editoras de jogos de RPG no Brasil, causou constrangimento e polêmica ao usar modelos no evento que organiza, o Encontro Internacional de RPG. Escrevi mais sobre isto aqui: http://rpgsimples.blogspot.com/2014/07/o-machismo-no-rpg-nas-historias-e-no.html

E outros lugares e materiais interessantes foram socializados nos debates:

Uma postagem de um autor brasileiro que publica RPGs e quadrinhos. Vasculhando o site, descobri que é um site de cultura nerde feita por gays.

Pesquisa científica sobre representações de gênero nos jogos de RPG:

O blog Saia da Masmorra tratando do assunto do sexismo da editora Devir:

A questão de gênero e das relações ‘queer’ num mundo pós-apocalíptico (em inglês):

Mecânica de jogos para questões ‘queer’ (em inglês):

Fórum debatendo o parágrafo do D&D (em inglês):
http://www.therpgsite.com/showthread.php?t=29974

Representação de gênero nos ‘videogames’ (em inglês):

Gilson


¹ Acesso em 20/07/2014, página 33, em http://media.wizards.com/downloads/dnd/DnDBasicRules.pdf

18 de julho de 2014

O machismo no RPG: nas histórias e no mundo real

Muito lamentável a estratégia da editora Devir em utilizar mulheres consideradas ‘bonitas e gostosas’ nos padrões socialmente estabelecidos em seu estande no Encontro Internacional de RPG. A mulher é vista há muitos e muitos séculos como mero adereço do macho heterossexual dominante, que detém o dinheiro, que a compra como mais uma de suas propriedades. Não pesquiso gênero e sexualidade, mas acompanho os debates do meu grupo de pesquisa e em eventos acadêmicos pelo Brasil, por curiosidade, já que coisas que eram consideradas ‘normais’ para mim, são construções históricas e sociais, processos de subjetivação que coloca a mulher em posição inferior ao homem.

Isto não é exagero. O Dia Internacional da Mulher não é para ser comemorado com florzinha e chocolate, é para lembrar da luta da mulher por respeito e igualdade. Mulheres foram mortas por desejarem isto.

Os machões machistas de plantão devem estar sem entender nada, mas a culpa não é deles, todos nós somos subjetivados desta maneira, de ver a mulher como uma coisa, um objeto de prazer apenas, uma alegoria, uma empregada para nossos afazeres, algo para satisfazer sexualmente. E quem diz e afirma que não pensa assim, pode ser o mesmo que assobia para uma mulher na rua.


Gilson

Primeira revista científica no Brasil sobre RPG e chamada de artigos


E o primeiro número da revista Mais Dados está disponível para baixar de forma gratuita. O esforço do Rafael Rocha foi decisivo para a concretização deste projeto, que tem possibilidade de ser cada vez mais um sucesso.

A revista pode ser baixada diretamente aqui:

E a chamada de artigos para o segundo número está neste endereço:


Gilson

16 de julho de 2014

Graduação em criação de jogos em instituição pública


O mundo muda todos os dias, as relações e as economias. Com os produtos de entretenimento não seria diferente. Podemos pensar que os jogos de RPG, que vêm sendo tema de pesquisas de conclusão de graduações, especializações, mestrados e doutorados, além de um curso à distância como já divulguei aqui no blog ‘rpg simples, podem vir a ser vistos como outros processos educativos e econômicos.

Enquanto isto não acontece, podemos vislumbrar a conquista dos jogos eletrônicos no Brasil ganham um curso de graduação em instituição pública com divulgado pelo deputado federal Jean Willys. Lembro que este tipo de curso já existe em instituições particulares, e ver o governo abrindo a mente para este novo mundo é realmente maravilhoso.

Gilson

“O Brasil é o quarto maior mercado consumidor de jogos digitais em todo mundo, mas a maioria dos produtos digitais consumidos em nosso país são produzidos no exterior. Os países que lideram essa indústria fizeram investimentos em diversas políticas públicas para alcançar suas posições e para que nós desenvolvamos uma indústria brasileira de jogos digitais competitiva e inovadora, uma das ações fundamentais é o investimento na formação de profissionais da área.

No último mês de maio, eu fiz algumas considerações sobre economia criativa, financiamento da cultura, política cultural, conteúdos digitais e videogames durante audiência pública realizada pelas comissões de Cultura e de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara e também questionou a ausência dos Ministérios da Educação, da Fazenda e do Planejamento, além da Comissão de Finanças e Tributação, em um debate fundamental no papel dos conteúdos digitais em nossa sociedade. Vocês podem assistir aqui a minha fala: http://youtu.be/oVkfRu5G7kc

Diante deste cenário, é com muita alegria que compartilho com vocês a criação do Curso Superior de Tecnologia em Jogos Digitais no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ), o primeiro da área a ser oferecido por uma instituição pública federal no Brasil e disponível no campus Eng. Paulo de Frontin, possivelmente já no segundo semestre deste ano.

É imprescindível que nossas instituições de ensino aproveitem os nossos talentos do universo digital!”

Deputado federal Jean Willys

Postagem original

13 de dezembro de 2013

Revista científica Mais Dados

A revista científica Mais Dados deve ser a primeira no Brasil dedicada aos jogos de RPG. Ela está aceitando o envio de artigos científicos para a publicação de seu primeiro número. E além do jogo narrativo, a revista abordará outros tipos de jogos.

Se você é aluno de graduação ou pós-graduação (especialização, mestrado, doutorado, pós-doutorado), experimente a escrita de um texto, fale com um professor/professora para lhe ajudar caso você sinta necessidade.

[atualização] Novo prazo é 01/04/2014. [atualização]

Endereço da revista:
http://www.narrativadaimaginacao.com/p/revista-mais-dados.html

Gilson